quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Pesquisa do Ibope/CNI dá vitória a Dilma no primeiro turno


Diferentemente da Pesquisa do Datafolha divulgada ontem pela “Folha de São Paulo”, apontando Dilma Rousseff em “zona de risco”, isto é, ameaçada de ter que disputar o segundo turno com José Serra ou Marina Silva, uma nova pesquisa do Ibope/CNI divulgada nesta quarta-feira constata que a candidata do PT venceria no primeiro turno, se a eleição fosse hoje.
 
Segundo esta pesquisa, que foi divulgada na manhã de hoje, na capital federal, Dilma tem 50% de intenções de voto, Serra 27% e Marina 13%. Como a soma de Serra com Marina só dá 40%, a petista venceria no primeiro turno.
 
Quanto à taxa de rejeição, Serra tem 34%, Marina 28% e Dilma 27%. A pesquisa foi realizada de 25 a 27 deste mês (a do Datafolha foi realizada no dia 27) com 3.010 questionários em 191 municípios brasileiros e sua margem de erro é 2%, para mais ou para menos.

EM BUÍQUE ESCOLA DE MÚSCIA DE PRIMEIRA QUALIDADE

Professores: Andrey Charles, Guitarra,Violão,Contrabaixo, Airon Liberato, Piano, teclado, Sergio Arlindo, Instrumentos de Sopro, Iadson Vilela, Bateria,percussão. Faça já sua inscrição. 

Bancários entram em greve


Depois de mais de um mês de negociações, os bancos disseram na semana passada que não vão atender a nenhuma reivindicação dos bancários. Para este ano, as instituições financeiras se comprometeram apenas a repor a inflação do período , com um reajuste salarial de 4,29%.
“Diante dessa provocação, vamos dar a nossa resposta aos banco em forma de greve”, explica a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello.Para ela, os bancos desrespeitaram os bancários na mesa de negociações. “Pela primeira vez, as instituições financeiras não apresentaram sequer uma contraproposta para nossas reivindicações. O Sindicato apostou até agora na negociação, mas diante da intransigência dos bancos, não restou alternativa para os bancários senão a greve”, diz.
Avaliação – Nesta quarta-feira o Sindicato realiza mais uma assembleia com os bancários para avaliar o primeiro dia de greve e definir os próximos passos da luta. O encontro será ás 18h30 na sede do Sindicato (Av. Manoel Borba, 564, Boa Vista).


Escrito por Magno Martins

PREVISÃO PARA AS ELEIÇÕES 2010 EM BUÍQUE.... QUEM????

Sem nenhum dado científico em mãos, mas com base em observações de ordem objetiva e de olho no que vem acontecendo no município de Buíque, pelo que tudo indica, apesar da dispersão de votos no colégio de cerca de 37 mil eleitores inscritos, tudo indica, que deve votar em torno de 25 mil, em face da complexidade destas eleições, de problemas com exigência de mais um documento com fotografia, além do eleitor de conhecimento abaixo da média e do analfabetismo que ainda é uma praga neste município, então escolher seis candidatos para votar, em tais circunstâncias, não  vai ser coisa muito fácil para o perfil do eleitor buiquense, assim como, em várias localidades do país afora. Mas nesse nicho de prováveis votos válidos, descontando-se os nulos e os em branco, tudo indica que os mais votados em Buíque serão pela ordem, só para opinar. Candidatos a deputado estadual: em primeiro lugar, pode-se apostar sem medo de errar, vem o candidato do prefeito Jonas Neto, Claudiano Filho, que pelo que tudo indica, terá entre 5 mil no mínimo, podendo surpreender e chegar na casa dos 10 mil votos; em segundo lugar, vem o candidato de Miriam Briano, Félix Mago, Dilson Santos, vereadora Rose, vereador Daidson e Anísio, que poderá ter no mínimo 2 mil votos, podendo, se muito chegar, na casa dos 3 mil; em terceiro lugar, apoiado isoladamente pelo ex-prefeito Arquimedes Valença, vem o candidato Marcantônio Dourado, que na última eleição ultrapassou a casa dos 6 mil votos, mas nesta, pelo que tudo indica, ficará pelo que não fez por Buque, no isolamento entre 1,5 a 2,5 mil votos; o quarto lugar, será ocupado por Henrique Queiroz, candidato do ex-vereador Til e hoje, de Ernani Neto, que poderá ter uma votação entre 400 a 600 votos; o quinto lugar, poderá ser reservado ao ex-prefeito Bléman Modesto, que com o pouco fôlego que ainda lhe resta, poderá vir a dar ao seu candidato, José Aglainlson Júnior, entre 300 a 500 votos e, em sexto lugar, vem o candidatura de Ângelo Ferreira, apoiado  pelo ex-vereador Vandelso dos Correios, pelo ex-candidato a prefeito, Dr. Vanaldo e Dr. Alex, que deverá ficar na casa dos 250 a 350 votos ou poderá até ter um pouco mais, se acaso por gravidade, vier a ser puxado pela mãe do governador, Ana Arraes. Quanto aos demais votos para deputado estadual em Buíque, deverão ser pulverizados entre os demais candidatos. Dos deputados federais, o candidato Sérgio Guerra, apoiado pelo prefeito Jonas Neto, poderá ter entre 8 a 12 mil votos, consagrando, assim, de vez, a liderança do jovem prefeito; os candidatos comuns, Jorge da Côrte Real, apoiado pelo grupo de Miriam Briano e Arquimedes Valença, poderá ter com todo esse arco de apoio, cerca de 3 mil votos e, Ana Arraes, por ser mãe do governador, desvinculada da candidatura de Ângelo Ferreira, poderá chegar na casa dos mil votos e, outro mais que poderá ter uma votação surpresa, mesmo não tendo comparecido em Buíque, será com certeza, o candidato João Paulo, pela imagem política que projetou no estado de Pernambuco. É o tipo de voto de graça, em que o eleitor vota conscientemente. De resto, pelo que se vem acompanhando de eleições estaduais em Buíque, vai haver muita pulverização de votos em candidatos que nunca se imaginou que teria voto nesse reduto eleitoral.

Por: Dr. Manoel Modesto

Termina debate da Globo Nordeste com candidatos ao Governo

Eduardo Campos (PSB), Edílson Silva (Psol), Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Sérgio Xavier (PV) participaram da discussão
 Foi positiva a avaliação dos candidatos ao Governo de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), Edílson Silva (Psol), Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Sérgio Xavier (PV), que participaram, na noite desta terça-feira (28) do debate promovido pela Rede Globo no Chevrolet Hall.  Eles foram os convidados porque seus partidos possuem representação na Câmara Federal.

A discussão contou com o jornalista Francisco José como mediador. Em dois dos cinco blocos, os temas eram livres; em outros dois, o assunto foi sorteado pelo mediador. O quinto e último bloco foi reservado para as considerações finais, onde cada um dos participantes pôde realizar uma avaliação do debate.

Todos os candidatos perguntaram e responderam em todos os blocos. Em vários momentos, a questão da privatização da Celpe veio à tona, com Jarbas Vasconcelos explicando que não autorizou a privatização em si – fato que ele atribuiu ao governador Eduardo Campos, na época secretário do avô, Miguel Arraes. No entanto o Senador do PMDB admitiu que aprovou a medida: “Não estou me eximindo. Assumo, acho que foi correto”, disse.

O candidato do PMDB reforçou seu apoio à proposta de criação do Ministério da Segurança Pública, defendida por José Serra. “Enquanto não tivermos um Ministério da Segurança Pública, vamos criar pactos diversos em cada Estado. É preciso uma diretriz, um cadastro único, cuidar das fronteiras, do tráfico de drogas e de armas, tudo isso é coisa demais para um governador, ele não pode fazer sozinho”. E aproveitou para criticar a política pernambucana do setor. “A segurança pública em Pernambuco vai mal, não há transparência. Se tecem loas porque os homicídios têm sido reduzidos, mas isso acontece no Brasil inteiro, a campanha do desarmamento também colaborou. Dos outros crimes, não se tem conhecimento, por parte do Governo, roubo, assalto, sequestro, porque não há transparência".

Sérgio Xavier, candidato do PV, destacou suas propostas para a área da saúde pública. "A saúde continua com péssimos indicadores. São óbitos por falta de leitos, há problemas de falta de UTIs em vários lugares, a situação é muito crítica e exige ação imediata. A nossa proposta é investir em questões básicas, pensando de modo estratégico. A gente tem que reduzir as fontes de doenças e fazer prevenção. A falta de saneamento continua absurda, dengue crescendo a 500%, oito acidentes de moto por dia, acidentes com bicicletas, com cidades sem ciclovias. O problema é que isso se repete há 50 anos, os mesmos grupos pedindo mais quatro anos para consertar a saúde e a gente vê que a coisa não anda, porque não há mudança na lógica, temos que buscar formação e plano de carreira para os servidores da Saúde, garantir orçamento adequado e melhorar a gestão, ser mais eficiente, inovar, para melhorar esses processos”, defendeu.

Num dos momentos do debate, Eduardo Campos rebateu as críticas do candidato do PSol, Edilson Silva, que afirmou que o Hospital da Restauração funcionaria “em modo de desastre, há 20 anos, dando prioridade a quem tem mais chance de viver, escolhendo quem vai morrer”. O governador, que tenta a reeleição pelo PSB, explicou que a nova emergência do HR funciona com o sistema de classificação de risco e elencou algumas realizações de sua gestão.

"Estamos implantando em todos os hospitais públicos a classificação de risco, para atender primeiro quem mais precisa, porque é assim em vários hospitais do mundo. Investimos muito no HR, no setor de neurologia, com novos equipamentos que nem todos os hospitais privados têm. Investimos em unidades do interior, como as de Arcoverde e de Salgueiro, assumimos hospitais que eram de prefeituras, fora as 11 UPAs construídas, que vamos levar para o interior. Esse esforço nos fez multiplicar por dois os números de UTIs. Mas o debate é o financiamento da saúde pública, que onera estados e municípios. Isso precisa ir para o Congresso", disse o governador.

Entre vários outros pontos, o candidato Edilson Silva, do PSol, explicou a proposta de seu partido para a reforma tributária, reforçando a necessidade de resgate do pacto federativo. “Nós somos, na região Nordeste, cerca de 28% da população do País e a Constituição Brasileira garante que o orçamento público federal seja proporcional à população mas, apesar disso, nós recebemos menos de 15% do bolo orçamentário. O problema do imposto que se paga na origem ou no destino é um ponto que precisa ser discutido também. No atual modelo, existe uma tendência para que a região Nordeste continue sendo segregada e nós, como chefe do Executivo, vamos unir esforços para reverter esse quadro. A reabertura da Sudene, de fato, é um caminho para reequilibrar esse pacto federativo”, acredita o socialista.

Antes de responder à pergunta, Edilson parabenizou o governador por ter comparecido ao debate: "Eduardo, gostaria de dizer primeiro que é muito bom ter você aqui entre nós, porque sentimos a sua falta no último debate. É importante que o chefe do Executivo esteja presente para debater as questões do Estado”.

No último bloco da conversa, os quatro candidatos mandaram mensagens para o público e fizeram suas considerações finais. Por ordem de sorteio, o primeiro a falar foi Jarbas Vasconcelos. “Esta foi a pior das eleições que disputei. O País passa por um bom momento e as pessoas, em lugar de ter grandeza no plano federal e estadual, às vezes se tornam figuras menores, perseguindo. Isso não leva a democracia nenhuma. Estou disputando essa eleição porque tenho histórico, currículo, vida pública. Carreguei a bandeira da anistia, das diretas, da liberdade de imprensa, mas a mais importante foi a bandeira do meu Estado, que eu amo de coração”.

Eduardo Campos falou em seguida. “Procurei honrar a confiança dos eleitores sem alimentar velhas brigas do passado, e sim cuidando de trabalhar e de unir Pernambuco. Com certeza você tem consciência que esse é um tempo bom que estamos vivendo. Há muitos anos que queríamos esse ciclo de crescimento. Pernambuco lidera os investimentos e cresce mais que o Brasil, mais do que o Nordeste. É hora de unir todos os pernambucanos, de ouvir, receber sugestões e aproveitar ao máximo esse ciclo de crescimento para que seja o crescimento da economia e também das pessoas”, afirmou.

Sérgio Xavier, do PV, deu sequência ao encerramento do debate. "Queria que você, eleitor, raciocinasse e percebesse que o modelo de desenvolvimento que temos hoje em Pernambuco e no Brasil está esgotado. As referências desse modelo demonstram que não aponta para um futuro positivo. Os outros discursos só falam de investimento e não falam de inclusão, em trazer as pessoas para esses investimentos. A idéia e a saída é votar no PV no primeiro turno, para que a gente possa debater mais e levar para mais discussão no segundo turno”, disse.

Por fim, falou o candidato do PSol, Edilson Silva. “Quem prestou atenção ao debate percebeu que temos confronto do passado com o futuro, grupos políticos que se revezam no poder. Nós demonstramos aqui com números e com dados que eles não têm diferença na educação, na saúde, na segurança e na forma de construir política. Queremos construir uma alternativa a tudo isso. Não é fácil. Queremos construir um socialismo com participação popular, que tenha coragem de respeitar os contratos que são lícitos e também tenha coragem de enfrentar com rigor e perseverança a corrupção”, finalizou.

TOME UMA ATITUDE CONTRA O MOSQUITO

CONFIRA FOTOGRAFIAS DE UMA DAS SETE MARAVILHAS DE PERNAMBUCO