terça-feira, 28 de dezembro de 2010

PREPARE-SE PARA O REVEILLON 2010 EM BUÍQUE


Prepare o seu coração e comece a contagem regressiva  para receber 2011 em alto astral. Faltando apenas três dias  a prefeitura de Buíque através da secretaria de Cultura Turismo e Esporte sobre o comando da primeira dama do Município Srª.  Grayce Vaz, divulgou  oficialmente  a programação para o réveillon  2010.
Será uma noite pra ninguém por defeito, não são atrações de peso,  claro, mais com toda certeza qualidades  e historias tem de sobra, será uma noite memorável  por que forró da mais alta qualidade não irá faltar, será uma celebração das antigas  na verdade  as bandas que irão se apresentar no pátio de eventos tem em sua bagagem um currículo valiosíssimo na historia musical, CASCA DE ROMÃ, MEL COM TERRA E FORRÓ DA BRUCELOSE  já vem a longos anos na estrada animando multidões Na programação oficial ainda tem shows pirotécnicos para saudarmos a virada do ano, com certeza muitas taças de champanhe  irão brindar esse encontro de forró  enquanto o publico presente reviverá grandes momentos. Valeu apena esperar.


Art/Designer: Francisco Carlos
Texto: Adauto Nilo

VOLUNTÁRIOS MUDAM VIDA DE COMUNIDADES NO SERTÃO E AGRESTE PERNAMBUCANO - VALE DO CATIMBAU


9,6 mil famílias de Pernambuco, Alagoas e Ceará recebem cestas de alimentos todo mês; projeto inclui ainda criação de agrovilas, reforço escolar, atendimento médico e plantação de caju

         No Vale do Catimbau, sertão de Pernambuco, os voluntários cruzam as estradas de terra nos caminhões carregados de alimentos. Eles chegam aos sítios isolados, aos lugares mais distantes e esquecidos. A agricultora Aderita Ramos Bezerra e os seis filhos esperam ansiosos. Quando a comida está no fim, eles sabem que podem contar com os Amigos do Bem.

“Eles ajudam muito. Quando está faltando ou acabando, eles chegam com a feira. Nunca mais ninguém passou fome”, comenta Dona Aderita.
Fome nunca mais para 9,6 mil famílias de Pernambuco, Alagoas e Ceará, que todos os meses recebem uma cesta com até 30 quilos de alimentos. “Dá para carregar [a cesta] sossegado. Agradeço a Deus, porque tem servido para todo mundo, coisa que ninguém nunca viu”, diz o agricultor José Fortunato.
Os sertanejos voltam para casa levando a ajuda que vem de longe. Cinco mil voluntários de São Paulo recolhem cada quilo de alimento e cada peça de roupa para distribuir no Sertão. Dona Aderita volta para casa com os presentes. “Ganhamos a feira, uma roupinha e calçado também. Estou muito feliz”, disse a agricultora Aderita Ramos Bezerra.
Há seis anos, tudo o que havia no pedaço do sertão era poeira, mandacaru e a vegetação da caatinga. Era difícil imaginar que a paisagem árida pudesse se transformar em uma gigantesca plantação. Acostumados a desafios, os voluntários plantaram 100 mil pés de cajus. Hoje a fartura cobre de verde a terra que nada produzia.
São 410 hectares de cajueiros. Com tanta fruta madura no pé, era preciso muita mão de obra e rapidez para que os cajus não apodrecessem. O que era preocupação virou uma boa surpresa: 400 sertanejos decidiram ajudar como voluntários. As primas Maria das Graças e Rosimere foram as primeiras a chegar.
“Eles não nos ajudam tanto, saem de tão longe para ajudar, por que não? Eles precisam agora e nós não vamos ajudar? É um pouquinho que nós podemos fazer”, afirmou a agricultora Rosemere Ramos. “Ave Maria, não tem coisa melhor, porque é muito bom demais a gente ajudar”, acrescentou a agricultora Maria das Graças Ramos da Silva.
Quem recebeu ajuda agora faz questão de retribuir. A corrente do bem envolve famílias inteiras. “Minha mãe, duas concunhadas, um irmão, uma comadre, um primo, um vizinho e um tio. Ninguém quis perder essa colheita”, conta a agricultora Rosilda Gomes da Silva.

Acostumados à rotina pesada na roça, os voluntários trabalham numa rapidez impressionante. As caixas ficam abarrotadas. A produção deve chegar a 200 toneladas. “Se for preciso, a gente vem dois ou três dias na semana. Pode chamar que nós estamos no pé”, se diverte a agricultora Edite Ferreira da Silva.
A polpa do caju é vendida para fábricas de sucos da região. A castanha, que vale mais, é beneficiada em uma fábrica construída pelos voluntários. Através de uma cooperativa, os agricultores vendem a produção e repartem os lucros. “Esse é o primeiro emprego”, comemora uma agricultora.
Nada como ter amigos. Os voluntários construíram quatro agrovilas no sertão de Pernambuco, Alagoas e Ceará. Ao todo, são 500 casas de alvenaria e muito conforto. Uma diferença e tanto para quem vivia em barracos com paredes de barro, como a dona de casa Helena Tavares da Silva, o marido e os nove filhos. “Minha vida está sendo de muita alegria. Aqui em casa é só alegria”, comenta a dona de casa.
E tem mais: óculos de graça, atendimento médico e odontológico. Sorriso novo. “Hoje a gente tem oportunidade de oferecer mais um pouquinho a eles, de devolver o sorriso e a estética, poder voltar a comer e mastigar direito o alimento. São tantos benefícios que uma prótese e um dente trazem que a gente não consegue nem mensurar”, comenta o dentista Rodrigo Lanfranchi.

Além das aulas de informática e de reforço escolar, o maior desafio já está em construção. Em uma imensa escola, as crianças poderão se preparar para o futuro. Um projeto do tamanho da generosidade dos brasileiros. Não duvide da força da turma do bem. 
“Se não posso fazer tudo que devo, devo ao menos fazer tudo que posso. E vamos fazer”, afirma Alcione de Albanesi, presidente da ONG Amigos do Bem.

PLANO DIRETOR DE BUÍQUE FOI ENTREGUE NA MANHÃ DE ONTEM

Aconteceu ontem no Gabinete do Prefeito desta cidade, a entrega do Plano Diretor que foi realizado neste município, na oportunidade o vice Prefeito Solano Tenório recebeu das mãos do vice-presidente da COMDEPE/FIDEM, estiveram presentes os secretários Eliaquin Alves, Sostenes Camêlo e Jobson Camêlo, e duas representante da COMDEPE/FIDEM, os mesmos foram também participantes de cada reunião que ocorreu em nossa cidade referente ao plano.
O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes e as vocações da cidade, os problemas e as potencialidades. É um conjunto de regras básicas que determinam o que pode e o que não pode ser feito em cada parte de cidade. É processo de discussão pública que analisa e avalia a cidade que temos para depois podermos formular a cidade que queremos. Desta forma, a prefeitura em conjunto com a sociedade, busca direcionar a forma de crescimento, conforme uma visão de cidade coletivamente construída e tendo como princípios uma melhor qualidade de vida e a preservação dos recursos naturais. O Plano Diretor deve, portanto, ser discutido e aprovado pela Câmara de Vereadores e sancionado pelo prefeito. O resultado, formalizado como Lei Municipal, é a expressão do pacto firmado entre a sociedade e os poderes Executivo e Legislativo.


TOME UMA ATITUDE CONTRA O MOSQUITO

CONFIRA FOTOGRAFIAS DE UMA DAS SETE MARAVILHAS DE PERNAMBUCO