sábado, 19 de fevereiro de 2011

A CRIAÇÃO DO JORNAL A VOZ DE BUÍQUE

Quanto muitos ainda engatinhavam em termos de liberdade de expressão aqui em Buíque, tenho o orgulho de ter sido, se outro não chegou a fazê-lo, pelo menos não se tem registro, de ser a primeira pessoa a me preocupar, o pioneiro em publicar alguma coisa que fosse exclusivamente só nossa. Daí foi que surgiu a partir de uma máquina que usava papel stêncil, bolei e passei a publicar o primeiro "jornalzinho" em Buíque, que o intitulei "O PLÁ DO G.C.B", quando estudei o curso ginasial (hoje ensino fundamental), no Ginásio Comercial de Buíque, fundado por Blésman Modesto. Depois, mesmo morando em Pesqueira, para onde me asilei forçosamente por problemas políticos na década de 80, mesmo de lá, escrevendo para o Jornal Nova Era, da Diocese de Pesqueira, dirigido pelo Padre Zé Maria, pensei em criar o meu próprio jornal e foi aí que surgiu oJORNAL "A VOZ DE BUÍQUE", que mesmo elaborado ainda de forma artesanal, em impressora linotipista, em que cada palavra era composta letra por letra, pelo profissional, e mesmo assim, o nosso jornal ainda chegou a perturbar a vida de muitos dos nossos políticos de Buíque, chegando alguns deles até mesmo, a querer partir para a desforra pessoal contra minha pessoa. Um deles, chegou até mesmo a me seguir em seu pomposo carro, até o Alto da Alegria e, como eu andava num velhinho Corcel II amarelo e que pouco andava, cheguei a ser alcançado. Não fui agredido, mas assim mesmo, cheguei a ser ameaçado. Dos vereadores, não eram poucos que na Câmara Municipal, não abriam o bico para me detratar disso e daquilo, sem medir palavras, nem tampouco se ligar para um trabalho que eu procurava fazer, não para desmerecer ninguém, mas como a mente deles ainda era do tamanho de uma semente podre, não tinha um que defendesse o meu trabalho e a minha liberdade de expressão, afinal de contas, ainda era a política coronelista que imperava, a chamada política do "cacete e do porrete". Falar deles, vige Maria!, era o mesmo que está encomendando um ato de violência anunciado, mesmo assim, nunca calei e descia a lenha sem penar e com coragem e nesse mesmo diapasão, ainda continuo dizendo o que bem quero, como quero, dentro da minha liberdade de expressão e no meu sagrado direito de agir, pensar e dizer livremente o que quero, afinal de contas, todo ser humano é dono de sua própria liberdade e de se expressar livremente como bem entender. Quem assim não entender, é porque está mais para ser um Hitler ou Mussolini, que para conviver pacificamente num regime democrático.

Por: Manoel  Modesto

NEM TUDO NA VIDA, SOMOS CAPAZES DE DIZER


            Por mais que queiramos nesta vida, não somos capazes de externar tudo que queremos dizer. Escrevemos centenas e mais centenas de textos, milhares de palavras e outros tantos caracteres, que buscam versar sobre os mais variados temas, fatos e acontecimentos, mesmo assim não somos capazes de dizer tudo que queremos. Algo ainda fica entalado na garganta.
            A gente pensa, imagina, procura mentalizar, estruturar uma idéia, um pensamento, mas quando este vai fluindo, não sai do jeito que queríamos externar os nossos sentimentos ou o que queríamos de fato dizer de verdade. Sob o manto que cobre o nosso mundo interior, muitas coisas existem para dizer, mas na ora de exteriorizar e dar corpo e vida aquilo que vem bem de dentro da gente, vai ganhando uma outra estruturação, uma criação diferente daquilo que queríamos na verdade dizer. Não que o que buscamos escrever no papel, não venha a traduzir fielmente a mensagem que queríamos passar para quem nos ler. Também a nossa mensagem, pode ser interpretada em muitos casos, através de visões diferentes para quem vem a ler o que escrevemos.
            Escrever não é uma tarefa fácil e não é todo mundo que tem esse importante dom de se dedicar à escrita, de se ater a imaginar, a pensar e a partir daí surgir colocar para fora uma idéia que vai ganhando materialidade na maestria das mãos de quem escreve. Até parece que esta é uma espécie peculiar que já nasce com a gente que faz da escrita, não uma obrigatoriedade ou um meio de ganhar a vida, mas sim, um sacerdócio, isto é, se escreve porque gosta de escrever e externar as idéias daquilo que está dentro de cada um de nós.
            Tem mais, quem escreve, o faz com amor à escrita, com o sangue jorrante nas artérias que fazem o coração pulsar no curso regular da vida, com inspiração do fundo da alma, dedicação, afinco e responsabilidade em tudo que buscamos externar através da escrita. Quem não escreve com a alma, não se pode dizer que tem o dom verdadeiro da escrita.
            Lembro bem, que desde tenra idade, já me quedava para à arte da escrita e da leitura. Quando ainda estudante de ensino primário, hoje fundamental, aqui mesmo em Buíque, vim a fundar o meu primeiro jornalzinho no Ginásio Comercial de Buíque – G.C.B, fundado por Blésman Modesto, que funcionava na Escola Duque de Caxias, cujo nome era “O PLÁ DO G.C.B”, elaborado artesanalmente em máquina de papel estêncil. Mas antes mesmo disso, quando estudei em Ribeirão Pires, região do grande ABC do Estado de São Paulo, onde cheguei a morar por certo tempo, na década de 60 para a de 70, já escrevia poesias e algumas crônicas. Era fissurado em escrever. Geralmente externava o mundo interior e sufocante, permeado de dificuldades enfrentadas por mim e por minha família naquele mundo infernal, encontrando aí, uma forma de fuga da realidade cruel e dolorosa então vivida, era sem dúvida alguma, demonstrar os meus sentimentos do que via e das circunstâncias enfrentadas, através da escrita.
            Tendo concluído o ginásio em Buíque, o hoje chamado ensino fundamental, na formatura, fui o orador da turma, vindo a repetir tal façanha, quando me formei em Direito, quando também, fui o orador oficial de minha turma de bacharelandos em Direito de 1990, e fui ovacionado na ocasião pelos colegas presentes, e pela Banda da Política Militar de Pernambuco, em que tocavam dois amigos de Buíque, grandes músicos e oficiais da corporação, Exdrinhas e Sebastião de Clóvis e, naquela ocasião, surpresos, ficaram estupefatos e deslumbrados com a minha verve de oratória na ocasião e mais orgulhosos ainda, em face do orador da turma naquela ocasião, ser uma pessoa de Buíque, a exemplo deles, que eram integrantes da Banda Militar. Foi para mim, um dos momentos mais importantes de minha vida.
            Voltando um pouco mais atrás, quando morei na cidade de Pesqueira, trabalhando no Bandepe, lá também fundei um Jornal. A VOZ DE BUÍQUE, meio de comunicação escrito, em que me utilizava para cutucar os políticos e a política de Buíque, entre a década de 80 para a de 90. Muitos em nada gostavam das críticas azedas com as quais me dirigia aos políticos buiquenses, até mesmo na Câmara de Vereadores, era criticado pelas minhas posições, que na visão deles, reles vereadores daqueles idos, me taxavam de irresponsável e dado à vida etílica, como se eles também não professassem o vício de levantamento de copo e, pior ainda, sempre foram corruptos e coniventes com toda situação adversa enfrentada pelos buiquenses, que infelizmente sempre teve um bocado de formigueiros de saúvas para destruir o patrimônio público em proveito próprio. Muitas vezes fui ameaçado pelo que livremente externava através da escrita, pelas críticas azedas que dirigia aos políticos ocasionais de então, mesmo assim, nunca me intimidei da mesma forma, nunca deixei de escrever livremente o que penso e, ninguém jamais, enquanto escrever eu puder, tiver voz para falar, ninguém vai me calar ou me amordaçar. Foi também em função de procurar mostrar os pobres dos políticos de Buíque, que busquei auto exilar-me em Pesqueira, para onde passei a morar a partir de 1982, mas nunca deixei de votar em Buíque, de acompanhar os fatos e acontecimentos de minha terra e de lá mesmo, publicava na gráfica da Diocese de Pesqueira, o meu Jornal A Voz de Buíque, que infernizou a vida de muitos políticos de Buíque, que não aceitavam as verdades apimentadas que eu fazia questão de publicar sobre eles.
            Na vida da gente, se tem várias passagens, várias conquistas e as que mais me deram alegria, foram pela ordem, o nascimento do meu primeiro filho, Hélder Modesto, em 1980, ver publicado o meu primeiro livro, “MODESTO À PARTE” e, quando me formei, tirei o meu diploma de Direito e fui, através da escolha dos colegas pelo voto direto e secreto, o orador oficial da minha turma. Existem coisas na vida da gente, que jamais somos capazes de esquecer. Procuro mais dar valoração ao que de bom aconteceu em todos esses anos de vida, porque das ruins, melhor será colocá-las dentro de um buraco bem fundo para nunca mais vir a nos perturbar a nossa mente e a nossa alma. Sabe-se ser impossível que todos os fatos negativos enfrentados no decurso de nossa vida venham a se apagarem por completo, uma vez que, geralmente, sempre vem de relance, como num ato reflexo de luz, mesmo assim, não devemos nos ater à banda podre do que inequivocamente sempre acontece na vida de cada um de nós. À pretexto de ficar de bem com a vida, com a nossa consciência, com a nossa alma irmanada em harmonia ao espírito, é que devemos esquecer de nossas mazelas de vida e sempre buscarmos no otimismo, o que há de melhor e o que de bom ainda estaremos aptos a contribuir para a melhoria e aperfeiçoamento da humanidade. É assim que é a nossa vida, a vida de cada um de nós seres humanos viventes e, se tudo pudéssemos descrever, muita coisa teria ainda para dizer do que na vida vivi e de tudo que ainda estou pronto para viver, apesar de estar sempre de prontidão na frente de luta, de batalha, da guerra deste viver de inquietude neste ignóbil e conturbado mundo de meu Deus.

Por: Manoel Modesto de Albuquerque

Prefeitura de Buíque lança programação do Carnaval 2011

A prefeitura de municipal de Buíque publicou, neste sábado, a programação oficial do carnaval 2011. O tema deste ano será "A Magia da Folia”. O primeiro evento será na sexta-feira dia 04. O bloco, As Carmelitas estará desfilando pelas ruas da cidade, com destino ao pátio de eventos, onde dará inicio a grande festa de momo, ao som da Orquestra buiquense de frevo. Para animar ainda mais a festa, o grande destaque será o Bonde do Maluco.

Já nos dias 05, 06, 07 e 08 o Carnaval será repleto de grandes atrações. Como ja é tradição em Buíque, o pátio de eventos São Sebastião espera receber milhares de pessoas de todas as cidades durante os cinco dias de festa.
Confira a programação lançada no Blog Mais Buíque.

Sexta dia 04 (festa das carmelitas)

Orquestra buiquense de frevo
Bomde do Maluco

Sábado dia 05

Orquestra buiquense de frevo
Serra Samba
Vizzu
Trio da Huanna

Domingo dia 06

Orquestra buiquense de frevo
Renny e a Galera
Asas da América
Casca de Romã Elétrico

Segunda dia 07

Orquestra buiquense de frevo
Vacila Samba
Renam Moreira
Assombra

Terça dia 08

Orquestra buiquense de frevo
Alto Samba
Vôa Vôa
É o Tchan


ATENÇÃO: COMUNICAMOS AOS LEITORES, QUE ESTA PROGRAMAÇÃO ESTÁ OFICIALMENTE POSTADA NO http://maisbuique.blogspot.com AVISAMOS AINDA QUE, ESTA LOGO MARCA NÃO É OFICIAL, ELA FOI CRIADA PELO AUTOR DESTE BLOG, A LOGO OFICIAL DO CARNAVAL 2011 ESTÁ A DISPOSIÇÃO NO BLOG MAIS BUÍQUE.

SEM MAIS.

Francisco Carlos
Da redação: Blog Buíque & Cia

TOME UMA ATITUDE CONTRA O MOSQUITO

CONFIRA FOTOGRAFIAS DE UMA DAS SETE MARAVILHAS DE PERNAMBUCO